Ultimas

sexta-feira, 25 de outubro de 2019

CMT I É DESTAQUE NA OLIMPÍADA BRASILEIRA DE GEOGRAFIA EM SÃO PAULO

O Colégio Militar Tiradentes – I mais uma vez representou o Maranhão com brilho. Em sua primeira participação na Olimpíada Brasileira Geo-Brasil, em Campinas, São Paulo, conseguiu uma medalha de bronze, com a aluna Anna Vithória dos Santos Cruz Costa. Anna, da 2ª série do ensino médio, fazia parte de uma equipe orientada pelo professor de Geografia  Sebastião César Pinto Silva.
A Olimpíada Brasileira Geo-Brasil – OGB foi promovida pela Unicamp e, na sua composição, agregou duas outras olimpíadas educacionais: a V Olimpíada Brasileira de Geografia – OBG e a III Olimpíada Brasileira de Ciências da Terra – OBCT. Ela foi aberta a estudantes regularmente matriculados em escolas públicas e particulares, tanto do 9º ano do ensino fundamental, quanto das três séries do ensino médio, orientados por um docente.
A Olimpíada propôs ao aluno o desafio de estudar Geografia por meio de textos, documentos, imagens e mapas. Teve três fases online e uma fase final, presencial, realizada em Campinas.
Tudo começou com a iniciativa dos próprios alunos – que já haviam vivido a experiência da Olimpíada de História, da qual o CMT participa, tendo já obtido bons resultados. Ao descobrirem o lançamento da OBG 2019, imediatamente procuraram o Prof. César e lhe pediram orientação. O aluno João Pedro Lira destacou a qualidade do orientador, que é um exemplo de caráter, abertura intelectual e de competência pedagógica. “O professor César tem um jeito leve, até mesmo divertido de despertar nosso interesse”, acrescenta a aluna Maria Clara Silva. 
Ele aceitou prontamente o pedido, vendo nos jovens o potencial para bons resultados.  Dois grupos foram formados: EstroFERAS e Portulanus; na disputa regional,  a EstroFERAS, formada por João Pedro da Silva Lira, Anna Vithória dos Santos Cruz Costa e Maria Clara Silva ficou com a medalha de ouro.  A Portulanus, nessa etapa, ficou com um honroso bronze.
“Na fase final”, afirmou o professor César, “vimos o quanto os alunos de outras federações são bem preparados”. Ele destacou a força dos Institutos Federais e dos Colégios Militares na competição. “Nós, porém, estávamos seguros. Tanto, que a própria Anna, pouco antes da liberação dos resultados, disse-me: ‘Professor, vamos pegar a bandeira [do Maranhão], pois vão chamar meu nome’”.
De tal modo que, mesmo disputando com uma maioria de alunos da 3ª série, Anna conseguiu a medalha de bronze. “Foi uma conquista de todos”, ela conta, lembrando os esforços do grupo e do orientador na fase de preparação. Todos se empenharam bastante realizando pesquisas e atividades em conjunto, aprofundando-se em temas como geopolítica, impactos ambientais a tensão entre a ação humana e o espaço em que se inserem as sociedades.
A empolgação é evidente nos olhos de Marlijane Costa, mãe de Anna Vithória. “Ela sempre foi boa aluna, de modo que não foi um completo espanto a medalha, mas os resultados, na etapa regional e nacional, foram sensacionais. ”
Anna Vithória relembra que, antes da competição, tinha uma relação morna com a Geografia, mas que o envolvimento com a Olimpíada despertou pela disciplina mais amor e admiração. Ela enfatiza que a participação em olimpíadas escolares é uma oportunidade para novos conhecimentos e horizontes. Juntando-se ao professor César, admitindo o quanto escolas de outros estados são fortes, ela sente a vocação para, no futuro, contribuir, de qualquer maneira, para que a educação no Maranhão seja cada vez mais respeitada. Por sua vez, Maria Clara quer seguir carreira de pesquisa nas ciências humanas – por enquanto, sua opção é a História. João Pedro quer ser médico, mas ama as ciências humanas. Para ele, uma das lições mais preciosas aprendidas na Olimpíada foi o fato de que as disciplinas não são departamentos estanques; todas são complementares.
O professor Sebastião César, evidentemente feliz com os resultados, mantém o ânimo e o fôlego para orientar novas equipes no futuro. “Minha postura como professor sempre foi a disponibilidade”, disse.
O diretor da CMT I, tenente coronel Brandão, destacou o compromisso da escola com a educação e agradeceu à Secretaria de Segurança Pública do Maranhão, à PMMA e à SEDUC pelo apoio. “A escola permanece firme em seu compromisso com a qualidade de ensino e com o nome do Maranhão em certames educacionais”, afirmou o diretor.
 
Copyright © 2019 Nilson Figueiredo
Traduzido Por: Luzimar Rodrigues